ACOLHIDA

1º Encontro – Acolhida

 

 

Objetivos

Promover no grupo, de forma harmoniosa, um momento de unidade e diálogo, acolhendo-os para o início das atividades catequéticas. Receber os catequizandos destacando a importância da caminhada de aprofundamento na fé que estão iniciando.

Preparação para

o encontro

Biblias

Corda.

Mensagem de boas vindas.

Acolhida

Oração Inicial: Pai Nosso

Acolher os jovens com o amor que Jesus acolheu a todos.

Apresentação do catequista e dos jovens.

Preenchimento das fichas de incrição.

Ver

Jo 1, 35-51.

Dicas para uma boa compreensão do texto bíblico: Nesta passagem algumas pessoas querem conhecer Jesus melhor. São seguidores de João Batista. João certamente já lhes falara sobre Jesus. Eles já conheciam a fama de Cristo. Desejavam agora conhecê-lo melhor. Eles começaram a seguir Jesus. Jesus percebe e quer saber o que desejam. Eles timidamente perguntam, como quem não sabe por onde começar a conversa: “Mestre, onde moras?” Jesus faz o convite: “Vinde e vede”! Eles não somente foram conhecer onde Jesus morava, mas permaneceram com ele por todo aquele dia. O texto não entra em detalhes, mas devem ter conversado muito, contado casos. Jesus dever ter falado coisas bonitas e comoventes, que tocaram o coração deles.

O dinamismo desse encontro é muito interessante: ir até Jesus, conhecê-lo melhor e anunciá-lo aos outros. Será que podemos fazer isso também?

 

Debate

Organizar um debate. Dividir os participantes em grupos (duplas, trios) e escolher algumas questões para uma partilha. Sugestão de perguntas:

O que vocês esperam da Perseverança neste ano? Como está a sua vivência cristã após a 1ª Eucaristia?

Como você relata o seu tempo de catequese?

Comentar com os catequizandos: Você tem a sua vida pela frente. Uma vida de boas possibilidades depende de você também. Há algo grandioso em você. Você é de origem divina. Pelo Batismo, você é membro de uma grande família: a Igreja. Você é um ser único. Não existe outro como você. Você é livre. É especial! Você tem liberdade para querer, escolher, amar. E tudo isso com Jesus vale a pena. Você tem consciência desta grandeza?

Iluminar

Dinâmica

Teste da perseverança

Levar a turma para um lugar aberto, onde se possa pular corda, sem risco de acidente. Fazer uma fila. Duas pessoas seguram uma corda, que deve ser pulada por todos os que conseguirem, passando de um lado para outro. Pular a corda várias vezes, mas a cada vez a corda vai sendo levantada, para que fique mais difícil de pulá-la.

Com a altura crescente da corda, alguns vão desistir de pular. Deixar que cada um desista, na hora em que não tiver mais ânimo para pular a corda. No final, levantar a corda o máximo possível, de modo que não seja mais possível pulá-la, não havendo vencedores. Ou, se quiser, pode-se ver quem conseguiu pular mais alto, com o cuidado de não colocar ninguém em risco.

Concluir a atividade, conversando sobre a perseverança frente aos desafios: quanto mais a corda foi ficando alta, mais esforço foi preciso para saltar sobre ela. A vida também é assim e nos apresenta obstáculos e desafios cada vez maiores. Alguns desistem logo. Outros se esforçam mais. O segredo da perseverança é o esforço. Certamente, nem todos os obstáculos podem ser vencidos facilmente. Há mesmo coisas invencíveis, na vida. Mas, se quisermos perseverar precisaremos de esforço e ânimo, aliado à prudência e a responsabilidade para não tentarmos dar um pulo maior que o possível e “quebrarmos a cara”.

Comentar os dois extremos: os que desanimam logo, deixando de se esforçar, e os que julgam poder saltar qualquer obstáculo, sem pensar nos riscos. A sabedoria é esforçar-se, calculando os riscos. Não vale desistir sem tentar. Nem vale “quebrar a cara”, tentando enfrentar um problema para o qual não estamos preparados. Nesse caso, vale preparar-se mais.

Agir

Buscar ser perseverante para participar bem dos encontros este ano.

Celebrar

Organizar um momento de oração com o grupo. Sugerimos os salmos 01, 22, 26, 27, 111, 112. Salmos que falam da alegria de viver unidos ao Senhor, num constante encontro com Deus.

Avisos

As testemunhas apontam o Salvador

1ª Leitura: 1 Sm 3-3b-10.19
2ª Leitura: 1Cor 6,13c-15ª.17-20
Evangelho: Jo 1,35-42

* 35 No dia seguinte, João aí estava de novo, com dois discípulos. 36 Vendo Jesus que ia passando, apontou: «Eis aí o Cordeiro de Deus.» 37 Ouvindo essas palavras, os dois discípulos seguiram a Jesus. 38 Jesus virou-se para trás, e vendo que o seguiam, perguntou: «O que é que vocês estão procurando?» Eles disseram: «Rabi (que quer dizer Mestre), onde moras?» 39 Jesus respondeu: «Venham, e vocês verão.» Então eles foram e viram onde Jesus morava. E começaram a viver com ele naquele mesmo dia. Eram mais ou menos quatro horas da tarde.

40 André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que ouviram as palavras de João e seguiram a Jesus. 41 Ele encontrou primeiro o seu próprio irmão Simão, e lhe disse: «Nós encontramos o Messias (que quer dizer Cristo).» 42 Então André apresentou Simão a Jesus. Jesus olhou bem para Simão e disse: «Você é Simão, o filho de João. Você vai se chamar Cefas (que quer dizer Pedra).»


* 35-51: João descreve os sete dias da nova criação. No primeiro dia, João Batista afirma: «No meio de vocês existe alguém que vocês não conhecem.» Nos dias seguintes vemos como João Batista, João, André, Simão, Filipe e Natanael descobrem a Jesus. É sempre uma testemunha que aponta Jesus para outra. O último dia será o casamento em Caná, onde Jesus manifestará a sua glória.

«O que vocês estão procurando?» São estas as primeiras palavras de Jesus neste evangelho. Essa pergunta, ele a faz a todos os homens. Nós queremos saber quem é Jesus, e ele nos pergunta sobre o que buscamos na vida.

Os homens que encontraram Jesus começaram a conviver com ele. E no decorrer do tempo vão descobrindo que ele é o Mestre, o Messias, o Filho de Deus. O mesmo acontece conosco: enquanto caminhamos com Cristo, vamos progredindo no conhecimento a respeito dele.

João Batista era apenas testemunha de Jesus, a quem tudo se deve dirigir. João sabia disso; por isso convida seus próprios discípulos para que se dirijam a Jesus. E os dois primeiros vão buscar outros. É desse mesmo modo que nós encontramos a Jesus: porque outra pessoa nos falou dele ou nos comprometeu numa tarefa apostólica.

Jesus sempre reconhece aqueles que o Pai coloca em seu caminho. Ele reconhece Natanael debaixo da figueira e também Simão, escolhido para ser a primeira Pedra da Igreja.

Vereis o céu aberto: No sonho de Jacó, os anjos subiam e desciam por uma escada que ligava a terra ao céu (leia Gn 28,10-22). Doravante é Jesus, o Filho do Homem, a nova ligação entre Deus e os homens.

Bíblia Sagrada – Edição Pastoral

- See more at: http://www.franciscanos.org.br/?p=9788#sthash.TqF2NSWR.dpuf